miércoles, 16 de abril de 2008

RE: A ADAGA - Boletim Estratégia e Análise

Mensaje Publicado en
http://forodeleydelacoso.blogspot.com/
Muchas Gracias por tu continuo aporte
_____________________________________________________________

A.P.L.A. en Uruguay

Dr Gabriel Motta -
Médico, Activista por DDHH


Tel. 5982 4809636
Cel. 094585316

Mensaje enviado por

Asociación
Pro Ley de Acoso
en Uruguay


Primer grupo consultor organizacional
técnico profesional humanista sobre

políticas de
prevención del acoso moral
en las empresas e instituciones
 

aplauruguay@hotmail.com 
http://aplauruguay.wordpress.com/

«No hay ninguna existencia constante,
ni en nuestro ser ni en los objetos...
el que juzga y el juzgado están
en continua mutación y movimiento»
(Montaigne).


Date: Wed, 16 Apr 2008 03:39:44 -0300
From: envb@env8.carteiroxpress.com
Subject: A ADAGA - Boletim Estratégia e Análise





Estratégia e Análise





Este é o Boletim de Análise de Conjuntura do Cientista Político Bruno Lima Rocha
Estratégia e Análise - Boletim Mensal











A ADAGA, número 12, 2ª fase, Boletim Eletrônico do portal Estratégia & Análise

 


Introdução

Após uma breve ausência retornamos com a Adaga mais afiada da internet ao Sul do Brasil. Seguimos em nosso dever de informar e analisar a realidade com nossas próprias ferramentas, aproximando a análise da incidência e o estudo da ação. Esta edição de número 12, mesmo com atraso, faz uma singela homenagem a um militante do povo argentino, de nome Rodolfo Walsh. A imagem acima é a dele, jornalista, dramaturgo, roteirista, escritor e homem de inteligência. Infelizmente, Walsh é quase um desconhecido em nosso país. Cabe aos teimosos de sempre fazer a canoa adentrar pelo delta mesmo que remando contra a maré. Um pouco da têmpera e da modéstia desse homem está contido em sua Carta Abierta a la Junta Militar. Um dia depois de redatar a Carta, no dia 25 de março, Rodolfo caiu de pé, trocando tiros com um Grupo de Tareas da Armada Argentina, em pleno Centro de Buenos Aires. Era ditadura e ele não se deixou agarrar vivo. Provavelmente seu corpo foi levado para o fundo do Rio da Prata, no Delta do Tigre, eternizado nas águas fluviais mescladas com mar que tanto amava.

Deixamos abaixo algumas indicações de leitura e pesquisa para a vida desse ícone do dever de informar, escrever e se comprometer:

agenciawalsh.org

rodolfowalsh.com

livros de Walsh para comprar

Boa leitura; tanto desse singelo boletim como do homenageado, sigo no aguardo das críticas.

Bruno Lima Rocha, politólogo com ofício de periodista


Estratégia & Análise recomenda. Mais um curso do CEPOS - Grupo de Pesquisa 'Comunicação, Economia Política e Sociedade' para compreender e incidir dentro do processo comunicacional e as freqüentes alterações da estrutura econômico-política.

Comunicação na era digital: cenários e realização

Será realizado, de 26 de abril a 17 de maio, na UNISINOS, o curso de extensão "Comunicação na era digital: cenários e realização"

 

Os principais objetivos do curso são:

-Apresentar o papel da mídia no capitalismo contemporâneo;

-Discutir os impactos da digitalização e das mudanças político-econômicas nas empresas de comunicação;

-Refletir sobre a atual conjuntura do setor diante do desenvolvimento de novas mídias;

-Preparar o profissional para a atividade jornalística na atualidade;

-Produzir material multimídia, com textos, áudios e imagens, que deverão fazer parte de um blog na internet, a ser construído durante o curso.

Público alvo: Acadêmicos de Comunicação, Jornalismo, Publicidade, Relações Públicas, Realização Audiovisual e Mídia Digital da Unisinos e outras instituições de ensino superior assim como os demais interessados.

Ministrante: professora e jornalista, mestranda em comunicação, Márcia Turchiello  (marciaturchiello@hotmail.com)

Fone para contato: 51 3591 1122

Ou direto na página da Unisinos


La Adaga – número 12 – 15 de abril de 2008

Una percepción brasileña de las elecciones en Paraguay

 

1)     Estas notas si proponen a evaluar los posibles impactos hacia y desde Brasil de la posible elección del ex obispo paraguayo Fernando Lugo, candidato por la Alianza Patriótica para el Cambio (APC). El religioso adepto de la Teología de la Liberación conforma alrededor suyo un frente de centro-izquierda que se jugó con todo para vencer a la candidata del Partido Colorado (ANR), oficialista hace 6 décadas, encabezada su lista por la ex ministra de la Educación Blanca Ovelar de Duarte. Blanca recibió el apoyo del actual presidente Nicanor Duarte Frutos. Y, como todos saben, la interna colorada es muy, pero muy zarpada. Concurre con estos dos a un gran conocido de la política brasilera de la década anterior. Si trata del general ex golpista y sospechoso de narcotráfico Lino César Oviedo. Oviedo se presenta por la Unión de Ciudadanos Éticos (UNACE) y va en tercero. Por último va Pedro Fadul, respectado por los partidos que componen la APC y a quién los partidarios de Lugo se encantarían de ver como aliado.

2)     Según la última encuesta nacional, una encomienda del periódico ABC Color, Lugo ganaría el próximo 20 de abril. Los datos son públicos y conocidos, pero es conveniente repetirlos. Lugo tendría 33,6%; Blanca Ovelar 27,4% y; Oviedo, una fractura dentro de los 4% de paraguayos ocupantes del status-quo, este tendría 24,6%. O sea, incluyendo los márgenes de error, hay casi un empate entre el general que se organizó un golpe contra el entonces presidente Wasmosy (abril de 1996) y la ex ministra de la Educación. Como jugada de marketing electoral, Blanca se tira como "una mujer" y no "una oligarca" operadora de una facción de los Colorados. Si hubiera sido posible una concertación entre la Banda de Oviedo y los demás militares, empresarios y político-oligarcas, ni Lugo ni la centro-izquierda tendrían alguna posibilidad de victoria en las urnas. ¿¡En la lleca, bueno, es otro plan de laburo no es cierto?!

3)     Volviendo para el debate desde una perspectiva de Brasil hacia Paraguay, este transcurre sobre las percepciones de las partes hablantes de la mediocracia y las élites con voceros en el Gigante que Duerme. No es necesariamente una evaluación prospectiva de la mayoría que poca o ninguna información tiene acerca del vecino hermano. El hecho real empieza afirmando que todo tema acerca del Paraguay que no sea un partido por la Libertadores o la Sudamericana, molesta y mucho a los que legislan la agenda política en Brasil. Veamos los porqués.

4)     Brasil tiene presencia en el Continente como un Sub-Imperio con actitudes de disimulado. Cuando Lugo pone sobre la mesa el tema de la Hidroeléctrica de Itaipu, está enviando mensaje concreto. Aunque todo no pase de teatro electoral – cosa que no creo – el debate va a pasar por cuestionar la gravitación de Brasil, que por su propio peso pasa por arriba la soberanía de los países linderos.

5)     Supongamos que Lugo salga vencedor, ganando a la ministra colorada y al ex general colorado. Aunque no venga a implantar ningún cambio de orden estructural, el y su equipo van a representar una liberación de energías que brotan y surgen desde los movimientos populares, particularmente Sin-Tierra y la Coordinadora Nacional de Sintechos, reforzados en la apertura de los '90. Un ejemplo de conflictividad se dio estos días en Asunción, con los Sin-Techo confrontando las fuerzas antimotines, peleando por el cumplimiento del acuerdo de construcción de 3 mil viviendas en dos departamentos. El detalle observable es que esto se sucedió seis días de las elecciones.

6)     Más allá de los costos de la energía de Itaipu, el tema de la soja y de los brasilguayos es problema seguro. La cultura de la soja actúa como cabeza de puente del avanzo del capitalismo en zonas selváticas, desplazando a poblaciones originarias. Los efectos si hacen notar en la capital paraguaya y otras ciudades mayores. Justo por eso que Paraguay necesita ingresos gruesos y constantes, siendo que el fuente más seguro de ingreso es el cobro por la venta de energía eléctrica, vendida a precio subsidiado hacia Brasil.

7)     El Estado de Brasil tiene una deuda impagable con Paraguay. Desde la masacre contra el gobierno de Francisco Solano López, pasando por la sostener a un tirano títere como Alfredo Stroessner, pasando por la ocupación con soja y pobladores de las zonas linderas con los estados de Paraná y Mato Grosso do Sul, entrando por el tema delicado de la vinculación orgánica con las bandas paraguayas de contrabando y tráfico, entrando en el tema de deuda externa paraguaya que durante años fue cobrada por Brasil – deudas de guerra, botín fiscal en la verdad; por todo eso, la deuda de los mandantes brasileños hacia el país guaraní es enorme e impagable. Mismo para una retórica de izquierda lavada y arrepentida como la de Lula y su banda, es menos incómodo tener a un traficante golpista como Oviedo en el Palacio de López do que a uno que sirva como herramienta para un cierto tipo de nacionalismo con intentos de desarrollo económico. En la política real, por más legítimas que sean las aspiraciones de los paraguayos, son los acuerdos con el agro brasileño sumados a la explotación de la electricidad de la binacional lo que importa.

8) Por fin, nunca es demás llevar en cuenta que la cosa se puede pudrir en Paraguay, con la victoria electoral de Lugo seguido de algún tipo de golpe o maniobra con esa intención. No es probable pero es una variable factible y nada fantasiosa.

 

Brasil

O nó do crescimento ferroviário do Brasil

OU

Uma reflexão da economia política subordinada ao modelo de acumulação primário e o papel do Estado no país com nome de árvore extinta

A Associação Nacional dos Transportes Ferroviários (ANTF) representa os capitais que no ano de 1997 compraram a carcaça da Rede Ferroviária Federal (RFFSA). Segundo a patronal dos trilhos, o setor gera 33.254 empregos diretos e indiretos contra os 16,6 mil postos de trabalho do período da pindaíba da RFFSA. Detalhe, por mais de dez anos a companhia estatal ferroviária não recebera um centavo do BNDES e de outras fontes de financiamento público em nível federal. Ainda seguindo nos informes saídos da boca e dos releases do oligopólio, o prejuízo acumulado entre 1994 e 1997 foi de R$ 2,2 bi. Amargando perda, o setor ferroviário nacional foi vendido, liquidado, e poucos anos depois, por um "milagre gerencial", começa a dar lucro!

Não bastasse o efeito miraculoso privatista, a ANTF reclama que o governo não "devolveu" os R$ 622 milhões arrecadados com a Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (CIDE), pagos pelo setor entre 2002 e 2007. O gênio das finanças porta voz dos donos das ferrovias construídas pela RFFSA, diz que este mesmo Estado aplicou "apenas" R$ 789 milhões em malhas concedidas entre 1997 e 2007.

Assim entre laudas e planilhas eletrônicas os porta-vozes dos donos dos trilhos vão chorando os "nós" com lágrimas de crocodilos e assassinando a matemática. Entre o arrecadado com a CIDE e o investido pela Plebe através do botim impositivo e o eterno repasse do dinheiro público para o capital privado e monopolista, foi posto R$ 167 milhões além do que foi pago pelos empreendedores. Não bastasse esse absurdo contábil, a ANTF ainda joga na chantagem, dizendo que pode aumentar em 10% o número de empregos em 2008. Para isso, teria de superar o "gargalo" para o crescimento das ferrovias. Alegam os que se apropriaram do remate dos trilhos do Brasil que os problemas estão nas passagens de nível e na invasão de domínio da ferrovia.

Seguindo na choradeira, o alegado é que o contrato das concessões prevê que o governo é responsável para superar o "problema". Tudo por coincidência, certo? O argumento é simples. Se o Estado retirar dinheiro público e investir na ampliação da infra-estrutura de um setor liderado pela América Latina Logística (ALL), e transnacionalizado, eis a oportunidade de gerar mais empregos.

Ah, os 33.254 empregos somam diretos e indiretos. Não são como os funcionários de carreira da Rede (RFFSA), com 13º, fundo de garantia, poupança, férias e sindicalização em massa. E, só para variar, a "matéria" – nada além do que um release da ANTF – saiu na página 8, caderno Logística, de 3 de abril de 2008, do ilibado jornal do seu Mércio Tumelero (Jornal do Comércio, Porto Alegre). Isto porque como toda publicação do jornalismo "econômico", trabalha com dados originais e são "objetivos", correto?! Sim, objetivamente mataram a matemática, o contraponto, o dever de ouvir ao menos duas fontes, pôr o texto de um contexto e expor o contraditório. Verba para apurar a empresa tem, então por quê? Sujeito oculto e premissa escondida. Mais do mesmo.

Todo dia ocorre o mesmo, e não é exclusividade do porta-voz dos capitais operantes no Rio Grande. A grande mídia é porta voz do capitalismo financeiro, e a mídia especializada torna um debate estruturante dos modelos de desenvolvimento do país algo "econômico" e "técnico". Assim tal como liquidaram a Rede Ferroviária dos brasileiros, se esforçam diariamente para exterminar o JORNALISMO e por tanto, esvaziar de conteúdo a democracia existente no Brasil.  

Rio Grande – 1  

A Província foi vendia por R$ 2 bi

O Rio Grande do Sul preparou sua caixa de ressonância e o bumbo legüero rachou o couro e ficou mudo. O glorioso parlamento da Província de São Pedro, no dia 26 de março, marcou a mesma unanimidade do Pacto pelo Rio Grande. Antes, o acórdão já havia se manifestado no aumento de salário dos nobres deputados estaduais. Naquela tarde de fins de março, os parlamentares do pago, acompanhados pelo fiscal de tributos cedido para a FEE e agora titular da Secretaria da Fazenda, e pelo governador em exercício – o herdeiro do grupo Econômico, que por sinal foi vendido pelo próprio – votaram a favor do empréstimo com o Banco Mundial.

Para não ficar tão feio o acórdão entre o BIRD e o Tesouro Nacional, Raul Pont (DS-PT, dep. estadual) tentou tirar da reta e desonerar a si, sua corrente e partido remendando o empréstimo com duas emendas que pouco ou nada remediam o dano já feito. A lógica é simples. Se a União renegocia as dívidas estaduais, atenuando o arrocho nos juros, a Banca operando no país diminui sua margem. O governo do Copom precisa manter a "segurança" da base financeira. Como o Rio Grande está atolado na própria dívida, e Yeda Crusius e sua trupe gerencial não querem sentir nem o cheiro de moratória, restava procurar o agiota gringo que cobra menos juros do que o usurário de posse da chave do cofre do Brasil. O Grupo Banco Mundial quer "apenas" o controle gerencial das finanças e dos processos decisórios. A pechincha vai sair por R$ 2 bilhões de reais. De graça para um território que foi demarcado à pata de cavalo e ponta de lança!

 

Rio Grande – 2

O Conselho do Meio Ambiente operando como cavalo de tróia para os "técnicos" canadenses importados por Yeda e seu clube de gerentes. Ou, a forma jurídica de atentar contra a soberania de uma terra outrora altaneira.

O Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) foi o foco de disputa e a arena decisória para o plantio de eucalipto. A agenda pautou o zoneamento de áreas para silvicultura, e uma vez que as manobras no Consema funcionaram, uma nova leva de gringos está por chegar para escrever relatórios palatáveis de acordo com as exigências legais. Estes "técnicos" virão aprimorar a capacidade produtiva incluindo os discursos e justificativas. Como a professora de economia da UFRGS não dá ponto sem nó, a Universidade de Toronto manda pessoal qualificado para ajustar o avanço de uma cultura que em sete anos irá alcançar nada menos do que 900 mil hectares de área agricultável. Considerando os mais de 4 milhões de hectares dedicados ao plantio de soja (90% ou mais de transgênicos), o Rio Grande terá cerca de 1 em cada 5 hectares agricultáveis entregues para a plataforma de exportações. A ocupação do território e recursos hídricos implica também o controle dos fluxos internos. Ao invés de servir como infra-estrutura de base para o desenvolvimento sob controle desta sociedade, as hidrovias serão recuperadas e ampliadas para servir ao eucalipto. A maioria destes terminais de carga hidroviária, já nascerão privados, incluindo os de Guaíba e São José do Norte, respectivamente na entrada do Lago Guaíba para a Laguna dos Patos e na Barra da Laguna, defronte ao Porto do Mercosul.

Só para 2008, as papeleiras pretendem aplicar seus recursos em 70 mil hectares. Se isso não é abrir mão de soberania e dos recursos naturais não-renováveis, então desconheço o que seja! A vontade de abrir mão da autodeterminação é tão forte porque opera sobre os novos gerentes da Província a Maldição do Malinche. Senão, o que justifica a troca de terra e seus nutrientes pela casca do eucalipto e sua resina esterilizante? Perde-se a água e nos resta o cloro do branqueamento. O fato político que dá nascimento para o moderno movimento ecológico do Rio Grande é justamente a luta de gente como Lutzemberger contra o cloro no Guaíba, despejado pela ex-Riocell, agora Aracruz. A maldição asteca se repete no Cone Sul, sendo vendido o território por US$ 4,5 bi. Menos de R$ 10 bi de reais, cerca de 1/3 da dívida interna gaúcha, é a ordem dos investimentos promovidos pelos capitais transnacionais e cruzados das papeleiras. Detalhe: cerca de 1 a cada 5 reais deste montante sai do cofre do BNDES, direto do bolso da Plebe através de imposto embutido, direto para os viveiros da esponja orgânica destinada a plantar árvores exóticas e concluir a obra da Conquista.

Além de liberar o plantio, a reunião pautou a desconfiança como valor agregado. Assim, um dos poucos lugares no Brasil onde havia segurança com o serviço público e alguma certa empatia com as instituições, tirou todo este patrimônio simbólico no lixo. A Procuradoria Geral do Estado entrou na cancha para ganhar pelo Piratini. O governo tinha maioria no Conselho, constrangeu os técnicos da Fepam e da Fundação Zôobotânica e para completar a terra arrasada, ainda convocou a Polícia Montada em GPSs e envergando fardas de terno e gravata de seda para acabar com o trabalho dos servidores públicos do Rio Grande.

Não se trata de denúncia, mas uma reflexão. O Bioma Pampa é constitutivo da alma e da auto-imagem do Rio Grande e da Pátria Grande. É a continuidade, em outra etapa histórica, chacinando a biodiversidade de um país que tem o nome de uma árvore extinta em seu ambiente natural. Nada disso é coincidência nem surpreende. A "surpresa" é não ter um conselheiro bombachudo sequer do MTG para convocar a gauchada e defender a própria identidade. Será que tamanha pasmaceira e passividade também é coincidência?! 
 











Início
Perfil
Conselho
Teoria
Consultoria
Publicações
Clássicos
Notas
Artigos
Links
Contato











Caso você não queira mais receber e-mails desse remetente ou se esse e-mail não foi solicitado, clique aqui.

If you do not wish to receive any more e-mails from this sender or if this is an unsolicited e-mail, click here.


Express yourself instantly with MSN Messenger! MSN Messenger